Dicas para estudar melhor: 10 melhores de acordo com a ciência

links patrocinados

Estudar com eficiência nem sempre é uma tarefa fácil. No entanto, fizemos um mapeamento do que a ciência vem comentando sobre o tema e separamos algumas dicas para estudar melhor que ajudarão você a melhorar o seu desempenho.

De acordo com dados científicos, os estudos intensivos podem ser prejudiciais para o aprendizado das pessoas. Você sabia disso? Isso se deve ao fato de que a capacidade das pessoas de memorizar determinados conteúdos tem um limite menor do que se imagina.

Sendo assim, para que você possa aumentar os seus índices de produtividade nos estudos, existem algumas estratégias que podem ser tomadas e que foram comprovadas pela ciência. Vamos a elas!

10 dicas para estudar melhor segundo a ciência

Dicas para estudar melhor

#1 Dicas para estudar melhor – Evite a chamada “curva do esquecimento”

A chamada “curva do esquecimento” começou a ser estudada pela ciência enquanto fenômeno psicológico em 1885. Esse fator ainda é considerado de suma importância para entender o rendimento das pessoas em seus estudos.

Segundo perspectivas deste tipo de estudo, afirma-se que quando nós ouvimos uma aula ou estudamos um conteúdo novo, temos uma melhor chance de retenção (até 80%) do que aquelas pessoas que apenas reveram o conteúdo novamente em apenas 24 horas.

links patrocinados

Esse tipo de capacidade tem um efeito considerado cumulativo, ou seja, depois de uma semana estudando. Deste modo, você poderá reter 100% das informações.

A grande maioria dos casos, os psicólogos entram em comum acordo que este tipo de intervalo, estudando ou não estudando, é a melhor alternativa. Deste modo, para que você possa otimizar o seu tempo de estudo, aproxime o mais do dia em que você teve contato com o material do que o dia da prova.

#2 Tenha material impresso em mãos

Apesar de estarmos vivendo em uma era Moderna, repleta de tecnologia, os tablets e outros tipos de aparatos eletrônicos podem não ser tão eficientes na hora de fazermos os nossos estudos.

links patrocinados

Por exemplo, se você estiver estudando para a faculdade, os materiais impressos ainda são considerados um método mais vantajoso para captar informações.

Pesquisas argumentam que a adoção de novos hábitos de estudo a partir de materiais impressos, aumentam em 90% da capacidade de apreensão de temas do que aqueles que utilizam apenas aparatos eletrônicos.

Recentemente na Inglaterra, um cientista descobriu que os alunos precisam de atividades de repetição quando necessitam ler em um computador ou tablet e nos casos de materiais impressos, isso não é tão necessário.

#3  Busque fazer conexões

Inúmeros dados científicos consideram que a principal distinção entre quem aprende de forma rápida e devagar está na maneira como essas pessoas realizam seus estudos.

Ou seja, em vez de se dedicarem à memorização, os alunos mais rápidos fazem conexões entre as ideias apreendidas.

Esse método de aprendizagem é denominado de aprendizagem contextual e nada mais é do que um processo crucial em que se exige de cada estudante a personalização de seus próprios métodos de aprendizagem, realizando conexão e informações para melhorar e encaixar o tema estudado, produzindo sentido.

#4 Estude mesmo cansado e descanse depois

Essa dica, a princípio, pode parecer um pouco contraditória, mas segundo dados científicos, faz total sentido.

De acordo com as pesquisas que foram realizadas quando o estudante se encontra estudando mais cansado, e faz isso imediatamente antes de dormir pode ajudar o seu cérebro a reter concentrações mais altas de habilidades que são consideradas novas, como falar uma nova língua ou tocar um instrumento.

Isso ocorre, tendo em vista que o processo de consolidação da memória do ser humano está no seu melhor momento, durante o sono, ou seja, promovendo as chamadas ondas lentas, o que significa que a retenção daquelas informações será maior.

#5 Dicas para estudar melhor – Não faça releituras, relembre o que estudou

Segundo estudos, as leituras e releituras podem nos conduzir a pensar que conhecemos bem um determinado conteúdo, quando na realidade isso não ocorreu de fato.

Esses mesmos estudos nos sugerem que façamos uso da chamada “recordação ativa”, que nada mais é do que terminar de ler um livro e fechá-lo, recitando para si mesmo, ou para outra pessoa o que acabou de aprender.

Isso será bastante efetivo a longo prazo, você vai ver!

Dicas para estudar melhor

#6 Use o sistema de estudos de Leitner

O sistema de estudos denominado de Leitner é conhecido pleo uso de “cartões de memorização”. Eles servem para que os estudantes possam aprender um tema novo e memorizar com mais facilidade.

Neste caso, os alunos deverão colocar todos os cartões de memorização dentro de uma caixa e ir selecionando um a um, e dando as respostas adequadas para as perguntas feitas.

#7 Reflita sobre o pensar

A ciência também defende que tenhamos que usar o método testado e comprovado de aprendizagem, denominado de metacognição. Esse método nada mais é do que o pensar sobre o pensar.

Com esse tipo de metodologia, você consegue avaliar o seu processo de estudo e monitora o seu bem-estar neste processo sem cansar-se.

#8 Varie os conteúdos a serem estudados

Os cientistas já comprovaram que é muito melhor que você varie os seus temas de estudo, em vez de se concentrar exclusivamente numa área por muito tempo.

Sempre que possível, faça a unificação de determinados assuntos e crie mapas mentais, para que você possa aprender mais facilmente.

Sendo assim, ao invés de fazer a memorização de um vocabulário novo, de um idioma, faça uma mistura entre a palavra nova aprendida e alguma atividade de leitura, por exemplo.

Dicas para estudar melhor

#9 Mude o seu cenário de estudos

Outro método de estudo que está cientificamente provado é a mudança de ambientes de estudo na hora de facilitar a memorização de determinados conteúdos.

Sendo assim, a partir do momento que você passa a estudar em diferentes locais e isso irá aumentar os seus níveis de retenção das informações e também a sua capacidade de concentração.

#10 Seja o seu próprio “professor” 

Outro detalhe interessante que muitos estudos têm revelado, é sobre a importância de nós sermos os nossos próprios professores, ou seja, sempre que estivermos estudando um determinado conteúdo que tentemos explicar para nós mesmos aquilo que estamos conhecendo.

Portanto, se dê novas oportunidades. Experimente ensinar aquilo que você entendeu para um colega imaginário e você verá que trará resultados positivos para retenção das informações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.